Faltou inovação para a Kodak

jan 24, 2012 por Editora Évora | Assuntos Gerais

A Kodak entrou com pedido de proteção contra falência em Nova York. Tudo bem isso é notícia velha, mas o que mais chama atenção nisso tudo é que como uma empresa fundada em 1888 com um slogan que poderia ser mais atual ainda poderia afundar? Quando começou, a Kodak se tornou conhecida sob a égide “Você aperta o botão, nós fazemos o resto”, para uma câmera analógica isso se torna realidade depois que o filme sensibilizado, passa por um processo químico de revelação e fixação e de forma não tão rápida, a imagem chega às mãos estampada em um papel fotográfico. O bordão da Kodak poderia renascer com o advento das câmeras digitais, e aí sim, seria a mais pura realidade, já que a tecnologia dá forma instantânea à imagem retratada, não precisa mais de química, uma simples impressora e uma sulfite pode transformar a imagem captada e colocá-la na sua mão, no final o “você aperta o botão, nós fazemos o resto”.

Faltou inovação para a Kodak. Mesmo que tenha sido pioneira em fotos ou inventado, em 1975, a primeira câmera digital cujo projeto ficou na gaveta, já que era necessário proteger o negócio dos rolos de filmes. Mesmo que tenha ajudado a documentar os astronautas no primeiro passeio na Lua, em 1969. Faltou inovação, criatividade.

A Kodak sucumbiu e esqueceu princípios básicos de empreendedorismo e liderança. Esqueceu que o medo é inimigo do crescimento e da mudança. Esqueceu que se precisa estar sempre em avaliação e análise e, que o negócio só existe se houver sempre o paradigma da mudança estampado na lista de obrigações diárias.

As empresas precisam estar preparadas para os desafios, para perceberem as mudanças de forma rápida e precisam de líderes e empreendedores inovadores que identifiquem e desenvolvam oportunidades de crescimento rentáveis. Não se pediu para inventar a máquina fotográfica, mas a Kodak precisava de um líder que tivesse a capacidade de transformar a cultura corporativa vigente, para que ela fosse mais inovadora e empresarial, ágil e competitiva.

“Líderes e empreendedores inovadores são apaixonados e enxergam os desafios como oportunidades para provar que podem sobressair dentro das áreas que escolhem. Eles superam obstáculos todos os dias e, ocasionalmente, movem montanhas” afirma Stefan Lindegaard no livro A Revolução da Inovação Aberta.

No livro, Stefan defende que “mesmo desafiadora, a Inovação Aberta traz consigo um mundo de possibilidades para novas ideias e para um crescimento de negócios”. Inovação Aberta é um conceito vital em todas as companhias, já que o assunto de combinar recursos externos e internos para aumentar o talento e a produtividade é uma proposta muito atraente. O autor ressalta sobre a necessidade de construir confiança como base para uma mudança criativa bem sucedida, que significa que é mais relevante olhar para o lado inovador das pessoas, do que se concentrar em processos muitas vezes burocráticos dentro das empresas. Para inovar é preciso coragem e força de trabalho.

Texto de Mônica Ferreira (DigitalTrix)

INDICAÇÃO DE LEITURA
Esse tipo de projeto assusta a maioria das empresas. Mas por que não tentar? Está mais do que claro que uma empresa de sucesso tem funcionários felizes e produtivos. Se você é empreendedor e tem uma ideia na cabeça, mas ainda teme as consequências leia A Revolução da Inovação Aberta.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

  • Digite seu endereço de email para assinar este blog e receber notificações de novos posts por email.

  • Sucesso do momento:

  • CURTA EDITORA ÉVORA
    NO FACEBOOK
    NOSSOS ÚLTIMOS
    TWEETS